segunda-feira, 13 de julho de 2020

EXPOSIÇÃO VIRTUAL - ABSTRATOS 2020

Durante a Pandemia o CREArte Centro de Referência e Ensino de Arte está organizando exposições virtuais, Está é a terceira, depois das telas do projeto "Fazer Arte não tem Idade, onde mostramos as telas pintadas pelos Iosos do Projeto, mostramos a Exposição "Pós-Humanos e agora uma série de ABSTRATOS  de minha autoria (Celso Parubocz)







quarta-feira, 1 de julho de 2020

Salão da Quarentena - Arte na Máscara.


O Salão da Quarentena Arte na Máscara foi criado com o intuito de movimentar o segmento das artes visuais durante a pandemia, motivando os Artistas a criarem um trabalho diferenciado sobre uma máscara facial ou utilizar outra técnica, desenho, pintura, colagem, bordado etc etc sobre uma superfície com a forma de uma máscara. Muitas técnicas foram utilizadas e materiais de diversos tipos, cada um ousando mais na criatividade para fazer sua obra. 

As 3 obras com melhor pontuação serão premiadas com um Kit de material artístico oferecido pelo Rotary Clube Ponta Grossa Alagados que será enviado via correio para o seu ganhador.

ANA SERAFIN

Título: Meu nome é Alex

BIDE DE PAULA

Título: A Cura

Eloir Jr.

Título: Chalhanilka - Dança Ucraniana dos chales

RESULTADO POR ORDEM ALFABÉTICA 
27 CLASSIFICADOS + 3 PREMIADOS

































Critérios usados para pontuação.
Criatividade 10 pontos / Regulamento 10 pontos / Material utilizado 10 pontos / Apresentação 10 pontos
Título da obra 10 pontos = Total 50 pontos.

Agradeço à Todos, não deixem de participar dos eventos organizados para Nós Artistas, a Arte faz parte do nosso Mundo e cada evento registrado deixa um pouco de nossa História que será sempre lembrada no Futuro.


sábado, 20 de junho de 2020

Artistas de Ponta Grossa participam de exposição virtual internacional realizada pela Associação Internacional de Artistas da Artcom Expo e parcerias.



A Associação é reconhecida pelas exposições internacionais em diversos Países sempre divulgando os Artistas e suas obras. Neste ano devido a pandemia as exposições presenciais estão paradas em todo Mundo e a Artcom resolveu continuar com seus eventos desta vez com exposições virtuais onde os Artistas não precisam enviar suas obras e somente a foto dos trabalhos que são divulgados para todo Mundo através de sites e toda um rede virtual que a Associação tem contato. 

Acontece simultaneamente diversas exposições de telas, de esculturas, de fotografias e logo abre de cerâmica e outras novidades movimentando assim o cenário das Ares Visuais no Mundo.

Participam Artistas de mais de 28 países entre eles:Angola - Argentina - Bélgica - Brasil - Bolívia - Bulgária - Chile - Costa Rica - Croácia - Cuba - Finland - France - Germany - Guatemala - Guiana -Güinea-Bissau - Haiti - India - Italy - Marrocos - Mozambique - Noruega-Portugal - Rússia-Sérvia - Espanha - Turquia - EAU

De nossa Cidade podemos apreciar obras dos seguintes Artistas:
Celso Parubocz que está participando dos 3 segmentos com uma tela da Série Pós-humanos "O Juízo Final", uma Fotografia "EStação Saudade" e uma escultura "Agradecimento".









Marcelo Schimaneski participa com sua obra estilo Naif retratando as Paisagens dos Campos Gerais.





e o Fotógrafo Peterson Strack com a fotografia da Cachoeira do São Jorge.



Agradeço a Artecom e a Curadora Baronesa Jiselda Salbur pela organização deste importante evento dando a chance aos Artistas divulgarem o seu trabalho para o Mundo neste momento tão apreensivo. Nossos votos de sucesso sempre e que logo possamos nos encontrar em eventos oresenciais comemorando a Vida.

















segunda-feira, 15 de junho de 2020

Exposição Virtual - PÓS-HUMANOS - Artistas CELSO PARUBOCZ














TEXTOs PESQUISADOS DURANTE A SÉRIE 
PÓS-HUMANOS

A ideia de colocar nas telas o questionamento do que acontece com os “Seres Humanos” após a MORTE já completa mais de uma década.
Nesta data resolvi mostrar um pouco desta saga que mistura aspectos históricos com mitologia e religião.
Sa Série Pós-Humanos - O Barqueiro, técnica mista sobre tela.

Mesmo se tratando de Arte, existe uma preocupação com a Ética e a Estética, sempre presentes procurando para não melindrar este ou aquele espectador, agradando o seu olhar crítico e lembrando que são apenas questionamentos para reflexão e não uma imposição deste ou daquele argumento apresentado.


A RELIGIÃO - A questão da morte tem uma ligação muito forte com as religiões e cada uma com sua visão do Pós Humanos, algumas ensinam que morremos e logo ressuscitamos, outras que morremos e ficamos stand by até o dia do juízo final, alguns mais céticos acham que simplesmente acaba tudo, já outros acham que a “energia” flui por aí, sai de nosso corpo que entrará em decomposição em um curto espaço de tempo. Há muitas perguntas e respostas sobre o tema, aqui fica a reflexão e mais do que achar esta resposta mostrar que estamos Vivos e precisamos Viver intensamente pois o amanhã ninguém sabe.


A CIÊNCIA - A última tentação humana é o desejo incontrolável de superar a morte. Seja através de técnicas improváveis de suportes maquínicos, que em tese poderiam amparar nossa consciência num ambiente não-orgânico que certamente configura uma concepção obsolescente do corpo; seja preservando e adicionando a esse mesmo corpo todo tipo de drogas, acessórios, próteses, órgãos da bioengenharia,, mecanismos e dispositivos artificiais de toda ordem, transformando o corpo humano numa plataforma viva a partir da qual se constituiriam outras formas de interface e consciência que, de certa maneira, também concebem o aparato orgânico humano como algo ‘incompleto’ e carente de ‘melhoramento’, e que também nos remetem a uma concepção de obsolescência do que consideramos humano.
Ser vivo é ter que morrer mais cedo ou mais tarde, pois dentro da natureza onde se desenrolam as delicadas e complexas coreografias da vida, tais fenômenos são imbricados e subsequentes dentro de uma ordem de complexidade que se retroalimenta contínua e sistemicamente. Assim, o ser humano-pós-humano perplexo diante de tamanha adversidade (a morte) passa a querer permanecer a todo o custo e por essa razão luta por postergar e, em seus desejos egoístas mais primordiais, não consegue se conformar à sua própria condição mortal, rebelando-se contra o próprio sistema natural que o gerou, subjugando cada vez mais esse mesmo sistema através da artificialidade tecnicista em busca se não de uma imortalidade, pelo menos de sua permanência estendida ao máximo possível. A própria técnica de clonagem animal – cuja motivação se esconde atrás de uma pretensa servilidade funcional reabilitativa, terapêutica e regenerativa futura, teoricamente benéfica em alguns sentidos restritos como produzir pele para vítimas de queimaduras, por exemplo – também disponibilizaria a clonagem como possibilidade técnica de indivíduos replicarem-se a si mesmos por desejos descontrolados de permanência e apego a essa existência singular, lançando um raio incidental de esperança na sombria senda de retorno irreversível ao Uno primordial que é a morte.


Talvez, nesse momento, seja prematuro falar de imortalidade, é verdade, mas o prolongamento, quem sabe indeterminado da vida humana, já é uma possibilidade bastante plausível nos horizontes de nossa civilização tecnológica de controle e instrumentalização. Nesse sentido, o humano que sempre instrumentalizou tudo à sua volta, agora faz de si seu próprio objeto de manipulação, instrumentalização e controle.
Hans Jonas quer nos dizer é que mesmo que tais práticas representem teórica e simbolicamente avanço tecnológico para a espécie, tais avanços – se é que poderíamos considerá-los avanços e não retrocessos – não chegariam a ser benéficos para a coletividade humana, servindo apenas como instrumento de uma minoria elitista e sofisticada que poderia surfar na crista da onda bionanotecnocientíficas e pagar por suas benesses.
Aqui recaímos numa mesma armadilha da rasa lógica capitalista de mercado: tecnologias sempre vêm à luz amalgamadas a seus contextos e conjunturas culturais específicas. O que vale dizer que, por serem patrocinadas por grupos de elite (do ponto de vista da abastança material) representam, indubitavelmente, os interesses de seus fomentadores e investidores, até porque há que se ter muito dinheiro para fomentar tais produtos de altíssima complexidade e altíssimo custo financeiro.

Pós-Humanos 4 5 e 6  - Técnica mista sobre tela.
_____________________________________________________________________

Flagelos e perspectivas de um ser em metamorfose
Um notável flagelo auto imposto do humano-pós-humano a si mesmo é a perda de sua essência fundamental. Não numa concepção abstrata e representativa especular, mas sim no sentido da perda objetiva de características tão determinantes como orgânico e inorgânico, por exemplo, de especificidades tão intrínsecas à nossa própria estrutura biológica e intelectiva que, ontologicamente, tornaríamos outra espécie diferente da humana. O mesmo vale para o prolongamento indeterminado da vida humana numa medida muito significativamente maior. Num certo sentido, esse tipo de alteração na longevidade, muito exponencial e determinante, modifica drasticamente o acoplamento estrutural da espécie e sua própria auto compreensão. Além dos problemas práticos e óbvios que podemos de imediato imaginar, como imprevistos, acidentes e descontroles, podemos antever também possíveis estratificações sociais mais sectarizado do que são hoje, dando origem no topo da cadeia a uma raça diferente e mais ‘elevada’ de seres por assim dizer ‘melhorados e superiores’, ‘mais aptos’, em contraste gritante e absoluto com os ‘não-melhorados’, ‘inferiores’, ‘menos aptos’. Isso seria a replicação nefasta do modelo de categorização e discriminação social que já se manifesta através da classificação entre ricos e pobres, só que desta vez tais predicados e defeitos estariam mais intimamente associados às complexidades dos organismos individuais.
Jürgen Habermas corrobora tal compreensão e afirma que fazer da humanidade um meio, seja de transformação, ‘melhoramento’, desfiguração, exploração ou descaracterização implica, inevitavelmente, na quebra desta simetria e na morte da igualdade secular entre as pessoas. A ideia da humanidade, por si, obriga-nos – nos diz ele – a adotar aquela perspectiva do nós, a partir da qual nos consideramos uns aos outros como membros de uma comunidade inclusiva, que não exclui ninguém.
Conclusão: Quem realmente somos nós?
: Quem realmente somos nós? Somos tudo isso que criamos? Ou tudo isso que criamos transforma fundamentalmente o que somos?
Bem, a resposta exata parece inexistir. Talvez sejamos ambas as coisas ao mesmo tempo, e quem sabe até mais. Nossa metamorfose pode ter começado lá atrás quando nos despregamos do mundo natural comum dos demais animais vivos sob a força da pedra lascada e do domínio do fogo como as primeiras tecnologias de instrumentalização e controle primitivos; e daí para a frente teríamos seguido sempre adiante nesse progressivo processo, configurando-o como algo inerente à nossa própria natureza humana mais essencial, o que certamente justificaria toda essa violência e devastação que tanto primamos em desenvolver e melhorar em busca de nossa permanência e capacidade de prevalecer e sobressair.
Ou então, ao contrário, nessa mesma ocasião longínqua de nosso passado primitivo, teríamos nós – sem nem mesmo termos consciência disso – desviado - nos irreversivelmente de nossa essência e relação de pertencimento mais primordial com a natureza, provocando o acionamento de toda essa sequência de fatos, fenômenos e acontecimentos que culminam hoje nesses conflitos e crises bio éticos sem precedentes, que de fato abalam e podem até mesmo destruir nossa essência e nossa identidade, enquanto seguem igualmente também devastando e extinguindo as demais espécies vivas e o próprio ambiente que nos abriga a todos.
Nesse sentido, é inapropriado enxergar o fenômeno pós-humano como algo alheio a nós, mesmo que esse fenômeno se apresente exponencialmente livre de nossa vontade e reflexão intencionais. Prescrutá - lo em sua identidade neo paradigmática, verificar sua interface com a cultura que o gera, identificar seus possíveis pontos nodais significa, certo, debruçarmo-nos por sobre nossa própria essência enquanto humanidade.
Alexandre Quaresma

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------
A morte, como o nascimento, é mera passagem de um estado de consciência para outro. A consciência não reside no cérebro, não está limitada a ele.
O intrigante é que, durante a EQM (Experiência de Quase Morte), às vezes a pessoa vê coisas que realmente aconteceram – e que ela, em tese, não teria como saber. “Muitos pacientes dizem ter se encontrado com um parente que ninguém sabia que havia morrido. Nem o próprio paciente. Por exemplo, um tio que morreu minutos antes de o paciente ter a EQM”, disse o psiquiatra Bruce Greyson, num seminário realizado em Nova York. “Outras pessoas contam coisas que se passavam na sala do hospital [enquanto elas estavam mortas]”. 
Mas como explicar que os pacientes estejam conscientes mesmo sem atividade cerebral? Depois de acompanhar 344 sobreviventes de paradas cardíacas, dos quais 18% tiveram EQM, o médico holandês Pim van Lommel criou uma teoria a respeito. “A consciência não pode estar localizada num espaço em particular. Ela é eterna”, diz. “A morte, como o nascimento, é mera passagem de um estado de consciência para outro.” Ele reconhece que as pesquisas sobre EQM não provam isso, mesmo porque as pessoas com EQM não morreram – só chegaram muito perto. “Mas ficou provado que, durante a EQM, houve aumento do grau de consciência. Isso significa que a consciência não reside no cérebro, não está limitada a ele”, acredita.
Quando morreu pela primeira vez, em 1993, o empresário americano Gordon Allen estava a caminho da UTI. Havia sofrido uma parada cardíaca momentos antes. Seu sangue deixou de fluir, a respiração se deteve, o cérebro apagou. Mesmo assim, ele sentiu algo. “Fui transportado para fora do corpo e comecei a viajar. Não senti dor, apenas leveza. Vi cores maravilhosas, que não existem na Terra”, recorda Allen no site da fundação que leva seu nome. Os médicos o ressuscitaram com um desfibrilador.
Assim como Gordon Allen, milhares de pessoas que tiveram morte clínica foram trazidas de volta. “Há uma semelhança incrível nos relatos”, diz Maria Julia Kovács, coordenadora do Laboratório de Estudos sobre a Morte da USP. “Muitos dizem ter visto um túnel e uma luz branca. Outros veem uma imagem de Deus.” Os relatos também incluem encontros com parentes mortos e a sensação de estar fora do corpo. São as chamadas experiências de quase-morte (EQM). A explicação mais aceita é que se trata de alucinações, causadas pela falta de oxigênio no cérebro. Um estudo feito em 2010 pela Universidade George Washington monitorou o cérebro de sete pacientes terminais. Em todos os casos, a atividade cerebral disparava logo antes da morte. Isso supostamente acontece porque, conforme os neurônios vão morrendo, perdem a capacidade de reter carga elétrica – e começam a descarregar numa sequência anormal, que poderia provocar alucinações.
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ALMA EXISTE

Em 1901, o médico americano Duncan Macdougall fez uma experiência com doentes terminais. Colocou cada paciente, com cama e tudo, sobre uma balança gigante. “Quando a vida cessou, a balança mexeu de forma repentina – como se algo tivesse deixado o corpo”, escreveu Macdougall na época. A balança mexeu 21 gramas, e o doutor concluiu que esse era o peso da alma. A descoberta caiu na cultura popular e até inspirou um filme (21 Gramas, de 2003). Ela não tem valor científico, pois a balança era muito imprecisa – e cada paciente gerou um valor diferente. Mas será que não dá para refazer a experiência com a tecnologia atual? Se alma existir mesmo, dá para medir?
Em tese, sim. Tudo graças a Einstein e sua equação E=mc2 (E é energia, m é massa e c é velocidade da luz). Se consideramos que a alma existe, e é uma forma de energia, então deve haver massa relacionada a ela. Se a energia muda, a massa também muda. Se alma existe, e sai do corpo quando a pessoa morre, o corpo sofrerá perda de massa – que pode ser medida.
O médico Gerry Nahum, da Universidade Duke, propôs uma experiência para testar a hipótese: construir uma caixa perfeitamente selada, que ficaria sobre uma balança hipersensível, capaz de medir 1 trilhonésimo de grama. O problema é que, por razões éticas, não dá para colocar uma pessoa moribunda dentro de uma caixa hermeticamente fechada, pois isso a faria morrer. E o teste nunca foi feito.
Mas os cientistas continuam em busca de evidências para a alma. E os estudos mais surpreendentes vêm de uma dupla que está na vanguarda da ciência: o anestesista americano Stuart Hameroff, do Centro de Estudos da Consciência do Arizona, e Roger Penrose – sim, o mesmo físico de Oxford autor da teoria sobre o que veio antes do Big Bang. Mas, desta vez, a tese é ainda mais inacreditável. Dentro de cada neurônio existiriam 100 milhões de microtúbulos: tubinhos feitos de uma proteína chamada tubulina. A tubulina atuaria como bit, ou seja, como menor unidade de informação que pode ser criada, armazenada ou transmitida. Os tubinhos vibram, interferem com a tubulina e geram ou processam informação – que é passada de um neurônio a outro.
Mas os microtúbulos são tão pequenos que as leis da física quântica se aplicam a eles. E essas leis preveem algumas possibilidades bizarras, como a superposição (uma partícula pode existir em dois lugares ao mesmo tempo). Para os pesquisadores, haveria uma relação quântica entre os tubinhos do cérebro e partículas fora dele, espalhadas pelo Universo. “Quando o cérebro morre, a informação quântica [gerada nos microtúbulos] não fica presa. Ela se dissipa no espaço-tempo”, diz Hameroff. Pela mesma lógica, quando alguém nasce, essa informação espalhada no Universo entraria nos microtúbulos. Ou seja: a alma existiria, sim, como um conjunto de relações quânticas entre partículas dispersas no Universo. Embora Hameroff tenha escrito centenas de páginas a respeito, nada disso tem comprovação. “Não reivindico nenhuma prova. Só ofereço um mecanismo cientificamente plausível”.
------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
“QUANDO DESENCARNAMOS, DEMORA PARA NOS DESLIGAR? PORQUE? NÃO SÃO TODOS DELIGAMENTOS IGUAIS?
Morte física e desencarne não ocorrem simultaneamente. O indivíduo morre quando o coração deixa de funcionar. O Espírito Desencarna quando se completa o Desligamento, o que demanda algumas horas ou alguns dias.
Basicamente o Espírito permanece ligado ao corpo enquanto são muito fortes nele as impressões da existência física. Indivíduos materialistas, que fazem da jornada humana um fim em si, que não cogitam de objetivos superiores, que cultivam vícios e paixões, ficam retidos por mais tempo, até que a impregnação fluídica animalizada de que se revestem seja reduzida a níveis compatíveis com o desligamento.
Certamente os benfeitores espirituais podem fazê-lo de imediato, tão logo se dê o colapso do corpo.
Obra Juízo Final técnica mista sobre tela.
No entanto, não é aconselhável, porquanto o desencarnante teria dificuldades maiores para ajustar-se às realidades espirituais.
O que aparentemente sugere um castigo para o indivíduo que não viveu existência condizente com os princípios da moral e da virtude, é apenas manifestação de misericórdia.
Não obstante o constrangimento e as sensações desagradáveis que venha a enfrentar, na contemplação de seus despojes carnais em decomposição, tal circunstância é menos traumatizante do que o desligamento extemporâneo.
Há, a respeito da morte, concepções totalmente distanciadas da realidade.
Quando alguém morre fulminado por um enfarte violento, costuma-se dizer:
"Que morte maravilhosa! Não sofreu nada!"
No entanto, é uma morte indesejável.
Falecendo em plena vitalidade, salvo se altamente espiritualizado, ele terá problemas de desligamento e adaptação, pois serão muito fortes nele as impressões e interesses relacionados com a existência física.
Se a causa da morte é o câncer, após prolongados sofrimentos, em dores atrozes, com o paciente definhando lentamente, decompondo-se em vida, fala-se:
"Que morte horrível! Quanto sofrimento!"
Paradoxalmente, é uma boa morte.
Doença prolongada é tratamento de beleza para o Espírito. As dores físicas atuam como inestimável recurso terapêutico, ajudando-o a superar as ilusões do Mundo, além de depurá-lo como válvulas de escoamento das impurezas morais.
Destaque-se que o progressivo agravamento de sua condição torna o doente mais receptivo aos apelos da religião, aos benefícios da prece, às meditações sobre o destino humano.
Por isso, quando a morte chega, ele está preparado e até a espera, sem apegos, sem temores.
Algo semelhante ocorre com as pessoas que desencarnam em idade avançada, cumpridos os prazos concedidos pela Providência Divina, e que mantiveram um comportamento disciplinado e virtuoso.
Nelas a vida física extingue-se mansamente, como uma vela que bruxuleia e apaga, inteiramente gasta, proporcionando-lhes um retomo tranquilo, sem maiores percalços.
Mensagem do escritor Richard.
____________________________________________________________________
Uma nova classe de pessoas deve surgir até 2050:  A dos inúteis"
Com o avanço da inteligência artificial, Yuval Noah Harari, prevê que muitos profissionais não apenas ficarão desempregados, como também não serão mais empregáveis
Com o avanço da inteligência artificial, os humanos serão substituídos na maioria dos trabalhos que hoje existem. Novas profissões irão surgir, mas nem todos conseguirão se reinventar e se qualificar para essas funções. O que acontecerá com esses profissionais? Como eles serão ocupados? 
Em artigo publicado no The Guardian, intitulado O Significado da Vida em um Mundo sem Trabalho, o escritor comenta sobre uma nova classe de pessoas que deve surgir até 2050: a dos inúteis. "São pessoas que não serão apenas desempregadas, mas que não serão empregáveis", diz o historiador.
De acordo com Harari, esse grupo poderá acabar sendo alimentado por um sistema de renda básica universal. A grande questão então será como manter esses indivíduos satisfeitos e ocupados. “As pessoas devem se envolver em atividades com algum propósito. Caso contrário, irão enlouquecer. Afinal, o que a classe inútil irá fazer o dia todo?”.
Uma das possíveis soluções, apontadas pelo professor, são os games de realidade virtual em 3D. “Na verdade, essa é uma solução muito antiga. Por centenas de anos, bilhões de humanos encontraram significados em jogos de realidade virtual. No passado, chamávamos esses jogos de ‘religiões’”, afirma Harari. “Se você reza todo dia, ganha pontos. Se você se esquece de rezar, perde pontos. Se no fim da vida você ganhou pontos o suficiente, depois que morrer irá ao próximo nível do jogo (também conhecido como céu)”.
Mas a ideia de encontrar significado na vida com essa realidade alternativa não é exclusividade da religião, como explica o professor. "O consumismo também é um jogo de realidade virtual. Você ganha pontos por adquirir novos carros, comprar produtos de marcas caras e tirar férias fora do país. E, se você tem mais pontos que todos os outros, diz a si mesmo que ganhou o jogo”. 
Para o escritor, um exemplo de como funcionará o mundo pós-trabalho pode ser observado na sociedade israelense. Alguns judeus ultra ortodoxos não trabalham e passam a vida inteira estudando escrituras sagradas e realizando rituais religiosos. Esses homens e suas famílias são mantidos pelo trabalho de suas esposas e subsídios governamentais. “Apesar desses homens serem pobres e nunca trabalharem, pesquisa após pesquisa eles relatam níveis de satisfação mais altos que qualquer outro setor da sociedade israelense”, afirma Harari.
Segundo o professor, o significado da vida sempre foi uma história ficcional criada por humanos, e o fim do trabalho não irá necessariamente significar o fim do propósito. 
Ao longo da história, muitos grupos encontraram sentido na vida mesmo sem trabalhar. O que não será diferente no mundo pós-trabalho, seja graças à realidade virtual gerada em computadores ou por religiões e ideologias.
"Você realmente quer viver em um mundo no qual bilhões de pessoas estão imersas em fantasias, perseguindo metas de faz de conta e obedecendo a leis imaginárias?
Goste disso ou não, esse já é o mundo em que vivemos há centenas de anos”.
Primeira obra da Série Pós-Humanos - Menção Especial no Salão Paranaense de Artes que aconteceu na Cidade de Jaguariaiva. Técnica mista sobre papel.
Textos pesquisados e créditos.
Hans Jonas foi um filósofo alemão de origem judia. É conhecido principalmente devido à sua influente obra O Princípio da Responsabilidade. Seu trabalho concentra-se nos problemas éticos sociais criados pela tecnologia
Alexandre Quaresma é paulistano, escritor, ambientalista e pesquisador de nanotecnologias e impactos sociais.  Atualmente pesquisa sobre o fenômeno Pós-Humano e suas diversas facetas de interação dentro da sociedade e da cultura contemporâneas.
Bruce Greyson, Charles Bruce Greyson, M.D., é um cientista e professor de psiquiatria da Universidade da Virgínia. Ele é co-autor de Irreducible Mind e co-editor de The Handbook of Near-Death Experiences.
Jürgen Habermas é um filósofo e sociólogo alemão que participa da tradição da teoria crítica e do pragmatismo, sendo membro da Escola de Frankfurt. Dedicou sua vida ao estudo da democracia, especialmente por meio de suas teorias do agir comunicativo, da política deliberativa e da esfera pública
Pim van Lommel é um autor e pesquisador holandês no campo de estudos de quase morte. Ele estudou medicina na Universidade de Utrecht, especializada em cardiologia. Cardiologista no Hospital Rijnstate, Arnhem.
Maria Julia Kovács, coordenadora do Laboratório de Estudos sobre a Morte da USP.
Duncan MacDougall, médico de Haverhill, Massachusetts, responsável pelo experimento que resultou no estudo científico “21 gramas”
. Duncan MacDougall, médico de Haverhill, Massachusetts.
Stuart Hameroff é um médico anestesiologista estadunidense, professor na Universidade do Arizona, conhecido por seus estudos da consciência.
Roger Penrose é um físico matemático, matemático e filósofo da ciência inglês, professor emérito da Cátedra Rouse Ball de Matemática da Universidade de Oxford







Série Pós - Humanos  1 2 e 3 - Pequenos formatos, técnica mista sobre tela.


Yuval Noah Harari, professor da Universidade Hebraica de Jerusalém e autor do livro Sapiens – Uma Breve História da Humanidade, pensa ter a resposta. 



LINK PARA ACESSAR A EXPOSIÇÃO VIRTUAL
 EM VIDEO.

https://l.facebook.com/l.php?u=https%3A%2F%2Fyoutu.be%2FVtiPa0GLtGc%3Ffbclid%3DIwAR2Hn_i0D3cshtUyGMmR98haxk1RjpMdm0bYvdOP135rR6woPlnoH5pdM4k&h=AT2z5gpU1EFeSU7zERED0j4qVKTCWRqgP3P5ayfutmQzOS3gf33Z33ARk9S5W_qIEIz9jyBkvqOyqolOwZqRGJqVVDl4Z95ZF6aHusly21jUahAQiavplTKMExICxbM3-6S9yAAz0rIIDmiAQN9YynuhZNyn4LWyi_18HeKPDdYOal7-F2eB63AOLLIRMBz2tuN9ycL9QxGQhjlqN5FxwBNecoX0v11QqOcE3mk7mkS7zVEfztTj1RSZa2dxbT4o9uc6h3C9iSQ3mrjetrLauzIZa1h62ZkMsKuOwyyKo5Clkj_iskVJE2_QN2DydvoYZVVAoPqdGLFuEC31ZA6dq17vT09FUk6av0kZcxDbF6E3r_yTFQ_T3vKU-TAawpQuLmCK9CjnfWaT0mjLGdkvE3QpLMbi57zulWCpOREsnR5T0TXREauAWBRuxkR_JqzWYnRJidQejBeYTqs174psl5IsFwFWj5gu5Pg90lEtD_EaAvzAAHn1cJIzWNpI0lhbiVrgo-z_jcxJwrObBytPhpQrz1VDjvfKYVT23zZycklhp3iIlyBn2Mmgtm-Ru9I7vLyIKcpuI0qXfadWuHGFRBAuN5owhDmHOwLTpNnfr1wlZQXKeFQxUtIvGZrYy4b3DXs