quarta-feira, 22 de setembro de 2021

EXPOSIÇÃO PRIMO VERE no CREArte / 15ª SEMANA NACIONAL DE MUSEUS

Hoje 22 de setembro de 2021 abrimos mais uma exposição na Galeria do Espaço Cultural do CREArte - Centro de Referência e Ensino de Arte. 

A Exposição PRIMO VERE  é uma saudação a chegada da Primavera, estação das flores ....

Você pode ser acompanhar nas redes sociais pelo video gravado no local e presencialmente com agendamento 

pelo fone 42 999 62 5952.



ARTISTAS PARTICIPANTES

Ana Paula W.

Celso Parubocz

Daluz Bucholdz

Erinilda Carvalho P.

Emília Schimitt

Suzete Nascimento

 





 
15ª Semana Nacional de Museus
Perdas pequenas ou imensas, algumas causadas por nós mesmos, outras por catástrofes, calamidades, desavenças, lutas, guerras, terremotos, incêndios, enchentes, e por tantas outras epidemias como a Peste Bubônica, Febre Tifoide, Gripe Espanhola, Tuberculose, Febre amarela, Aids, Coronavírus. Enfim, tantas situações em que fatalidades, perseguições e injustiças se instalaram e em que o medo imperou, nebuloso e temporariamente, perturbando os corações e as mentes humanas. Contudo, lembremos, para todos esses infortúnios houve um recomeço! É impossível, ao convivermos com tantas perdas e tantas dores, não refletirmos sobre o impacto que este momento tem, não somente em nosso presente, mas em nossas memórias e em nosso futuro. Diante desta condição incontornável, a 15ª Edição da Primavera dos Museus não poderia deixar de propor um tema sem que refletisse a função dos museus neste momento que, embora não tenha ainda acabado, exige, desde já, a elaboração das perdas que temos sofrido, tratando da guarda do que restou e augurando que, como em tantas outras vezes, o que restou enseja os recomeços. Temos tido, como já dito, é verdade, muitas perdas. Perdas, também verdade, irreparáveis, mas, lembremos, de tudo resta um pouco... O poema Resíduos, de Carlos Drummond de Andrade nos remete a esta condição ambígua que é a história, marcada desde sempre por essa relação avassaladora, mas constitutiva de todos nós, a perda. À perda, de algum modo, estamos todos sujeitos. O poema rememora algo que acabou, mas ao mesmo tempo fala daquilo que restou, de algo que persiste, que sobrevive, de algo que está aí. Diz, é verdade, que algo se perdeu, mas nos diz também que algo ficou e que, portanto, paradoxalmente, algo não acabou. De certo modo, nós somos como museus vivos e como os museus, somos guardiões de fragmentos de algo que embora tenha acabado, ainda está aqui conosco, em nós. “De tudo resta um pouco...” ou "nada está perdido…”, os museus são esses lugares de guarda do que restou. Guarda grandes feitos e guarda mesmo a dor. Museus guardam o que sobrou de momentos grandiosos ou terrivelmente tristes da experiência e da vida humana. O pouco que restou, tantas vezes é dor ou afeto, mas tantas outras vezes é documento. Este momento obriga que os museus sirvam aos indivíduos que, perplexos diante de tantas perdas, pedem acolhimento, pedem um lugar de reflexão e de recomeço. Que os museus se coloquem à serviço dessa acolhida! Os museus, tendo em seus acervos elementos do que restou, memórias de momentos que se acabaram, lembranças de emoções transmutadas na materialidade dos objetos, tornam-se grandes bibliotecas de emoções humanas, grandes repositórios de sentimentos e experiências que a humanidade viveu ao longo da existência! Que os museus reconheçam o seu papel e prestem esse serviço; que devolvam à sociedade neste momento aquilo que guardam na forma de reflexão, de acolhimento, de recomeço. Que o museu traga para a sociedade uma visão, não só de como melhor fazer a travessia, mas a lição de que quando a tempestade passa, a humanidade sempre se levanta. Essa experiência acumulada de várias perplexidades que a humanidade já atravessou está dentro dos museus. Nos museus, as perdas podem se traduzir também pelo desaparecimento ou esquecimento de línguas inteiras, de expressões artísticas, de tecnologias, de profissões, de fatos, de memórias, de muitas vidas. Os museus, como espaços de convergência da experiência humana, sejam elas experiências sociais, históricas ou artísticas, propiciam um reencontro com a história humana, seja de sonho ou insegurança, vitória ou angústia, coragem ou medo, alegria ou desespero, fatalidade ou responsabilidade. Os museus, como repositórios de experiências e emoções podem ser, também, espaços individuais e coletivos de superação, de reinvenção, e, enfim, de catarse. Todos os museus tem condições de elaborar sobre as perdas e apoiar a sociedade nessa travessia de mudanças. Que sejamos afeto! Se a primeira função dos museus seria guardar as perdas e o passado, é também verdade que nos museus a ressignificação do que se guarda tem seu recomeço. Drummond aponta que "de tudo resta um pouco”. De uma totalidade restam fragmentos daquilo que se perdeu, e é a partir desses fragmentos que se reconstitui o passado, se entende presentes e se projetam futuros. Mesmo que não tenha sobrado tudo, tenha sobrado pouco ou mesmo quase nada. Propomos, nesta Primavera de Museus, pensarmos os resíduos, o que restou, como ponto de partida para um recomeço possível, seja a partir do sonhado, ou para um recomeço necessário, partindo dessa premissa, a de que a missão dos Museus é ser guardiões de resíduos da história, mas também espaços de ressignificação dessas e de tantas perdas. Mais do que espaço de acúmulo de momentos, somos e podemos ser espaços de acolhimento e de reflexão, de transmutação da dor e de ressignificação de perdas. Lancemo-nos, pois, em um novo e melhor recomeço!



Chego a chorar, manso de tristeza. 

Depois levanto e de novo recomeço.

 Clarice Lispector


sexta-feira, 3 de setembro de 2021

POSSE DA NOVA DIRETORIA DO CENTRO CULTURAL PROFESSOR FARIS MICHAELLE

A cerimônia de posse ocorreu, no dia 3 de setembro, data de comemoração do aniversário de nascimento do Professor Faris Michaelle, em plena Semana Faris Michaelle.  Conforme lei municipal 224/2011, foi instituída a Semana em comemoração a Faris Michaele, sempre na primeira semana de setembro.


O Centro Cultural Professor Faris Michaele, a mais antiga entidade cultural de Ponta, foi fundada pela poetisa Leonilda Hilgenberg Justus, em 1987 – que recebeu o título de Presidente Perpétua da Instituição - destinada a congregar a arte em geral, prestando-lhe apoio cultural, cooperando assim para o desenvolvimento da literatura, das ciências e das artes.

Ao longo de mais de duas décadas, o Centro atua, ininterruptamente, graças ao empenho e dedicação de pessoas dispostas a prestar serviço em prol da cultura. A própria fundadora, Leonilda, foi figura incansável na cultura princesina, tendo sido uma das fundadoras da Academia de Letras dos Campos Gerais, além de ser agraciada com o título de “Bicho do Paraná” e de também pertencer à Academia Paranaense de Letras.

A escolha da insigne figura de Faris Antônio Salomão Michaele para patrono da entidade não poderia sem mais oportuna considerando que a vida cultural de Ponta Grossa pode ser dividida em antes e depois de Faris Michaele. Vale destacar o papel da Sra. Amélia Oberg Michaele, viúva do intelectual, na tarefa de preservação do acervo deixado pelo professor Faris Michaele, como é conhecido.

Segundo a presidente eleita: Renata Regis Florisbelo, “a cultura requer, hoje, gesto real de doação, colocando-se a serviço de seus propósitos”.

Renata Florisbelo nova Presidente empossada e Celso Parubocz diante das telas do artista.

Fabio ex Presidnete e Renata nova Presidnete.


O evento aconteceu na Mansão Villa Hilda, sede da Fundação Municipal de Cultura na rua Júlia Wanderley, 936 - Centro, Ponta Grossa e teve diversas atrações entre elas a exposição de telas do artista Celso Parubocz que foi um dos ex-presidentes do Centro Cultural. A exposição teve 12 telas em estilo Abstrato e técnica mista.

Também teve apresentação da Banda Lira dos Campos Gerais com uma brilhante apresentação que mereceu destaque na fala do Presidente Fabio Maurício que foi integrante na Escola da Banda Lira e tem boas recordações.

O músico Paulo Kincheski nos brindou com duas músicas acompanhado pelo seu teclado e uma explanação de Alexandre Cantuária sobre a Cultura ìndígena e a situação dos índios no Brasil.

A alegria tomou conta nos Jardins da Mansão Villa Hilda lugar sublime pela sua história e beleza.

A seguir algumas fotos da exposição e do evento.































A equipe definida para a Diretoria 2021-2023 é composta pelos seguintes integrantes:


Presidente: Renata Regis Florisbelo

Vice-presidente: Douglas Passoni de Oliveira

Secretária: Alana Águida Berti

Tesoureiro: Fábio Maurício Holzmann Maia

Orador: Flávio Madalosso Vieira

Diretora cultural: Dionezine de Fátima Navarro

Diretor de comunicação: Álvaro Andrade

Assessor jurídico: José Ruiter Cordeiro

Assessora para projetos culturais: Alessandra Perrinchelli Bucholdz


 

quarta-feira, 25 de agosto de 2021

Mais um amigo artista nos deixou - Malah - Malaliel José de Souza

A Arte perde um de seus grandes nomes das Artes Visuais, Malaliel José de Souza, um Amigo querido Malaliel nos deixou hoje e foi brilhar em outra dimensão, se junta com outros grandes amigos (as) Artistas, tenho certeza que estarão em festa vibrando por Todos que aqui ficaram. 

Malah uma figura querida, atenciosa e com trabalhos que sempre se destacaram em nossas exposições, premiado em muitos salões, sua produção é maravilhosa, sempre abria seu atelier para receber amigos. É muito triste saber que nos deixou mas tenho certeza que está brilhando e seu caminho sempre será iluminado em todas as dimensões, que bom que nos deixou uma história e um acervo maravilhoso.

Ponta Grossa tem a sorte de possuir em seu acervo uma de suas maravilhosas obras que foi premiada em um dos nossos Salões de Arte, quem sabe um dia nossa Pinacoteca seja construída e assim poderemos visitar esta obra em um lugar de destaque que a mesma merece.

Malah - artista contemporâneo trabalhou com pintura, escultura, instalações e fotografias.  Sempre que possível utilizava em suas obras materiais reciclados.

Participou de inúmeras exposições e recebeu inúmeros prêmios durante sua trajetória, suas obras foram vistas em países como Espanha, Itália, Londres, Canadá, Portugal, França, Uruguai, Argentina e fazem parte de muitos acervos particulares, Museus e espaços públicos.

Deixo aqui meu abraço e carinho para sua esposa Lídia e toda Família, que Deus acolha nosso Amigo Malah no Céu, tenho certeza que por onde passar está levando muita luz, pois sempre foi uma Pessoa muito querida por Todos.

Algumas lembranças do Malah com nosso grupo do Centro de Arte Contemporânea Edilson Viriato.

Visita a chácara Atelier de Malah e Lídia.



Durante nossas orientações no Centro de Arte Contemporânea Edilson Viriato, palestra com o 
Artista/ Historiador e Crítico de Arte João Coviello.



Malah sempre alegre e simpático.



Entrada do Atelier sempre com belas obras pelo caminho.

Turma do CACEV em visita ao Atelier do Artista em Piraquara.

Durante nossas comemorações no CACEV.

Visita ao Atelier do Artista.

Nossos almoços nos intervalos das orientações, grandes Amigos e Companheiros.



Malha e algumas de suas obras..



Uma das obras da Série que recebeu prêmio em Ponta Grossa e faz parte de nosso acervo Municipal.


Que bom ter Amigos como Malah, fico triste com sua partida mas feliz por saber que deixou uma linda trajetória e seu nome será sempre lembrando na História da Arte.
Brilhe sempre onde estiver.



terça-feira, 24 de agosto de 2021

Cultura tem novo espaço em Ponta Grossa

Muita emoção na inauguração das instalações do novo espaço destinado às artes plásticas em Ponta Grossa, a Unidade Cultural do Ponto Azul – Setor de Artes Visuais, dia 25 de agosto, com a exposição das telas em estilo naif, do artista plástico, Marcelo Schimaneski e o lançamento do livro Pincéis da Superação da escritora e poeta, Dione Navarro.
A Unidade Cultural do Ponto Azul – Setor de Artes Visuais conta com um ateliê de produção artística, onde serão ofertados cursos e oficinas e com quatro salas de exposição com iluminação de galeria nas quais ocorrerão mostras e exposições, oferecendo cultura, educação e arte à população.
Marcelo Schimaneski, pintor ponta-grossense começou a praticar desenho para fortalecer os braços e mãos após sofrer um acidente que o deixou tetraplégico. Devido à limitação de movimentos, ele precisou ser criativo e criou uma técnica própria para pintar suas telas que retratam momentos do cotidiano e, principalmente, paisagens dos Campos Gerais.
Junto com a exposição dos quadros de Marcelo Schimaneski, ocorreu o lançamento do livro Pincéis da Superação da escritora e poeta, Dione Navarro. O livro apresenta poemas acompanhados das imagens das telas de Schimaneski, que foram inspiração para a autora escrever a biografia do pintor. “Cada vez que eu olhava uma tela de Marcelo Schimaneski sentia brotar em mim rios de versos para aquela obra colorida e cheia de ricos detalhes”, relata a escritora.

Convite do evento.

Marcelo Schimaneski, a Prefeita Elizabeth Schmidt e a escritora Dione Navarro.









Discurso de inauguração do Presidente da Fundação de Cultura Beto Portugal.